terça-feira, janeiro 10, 2006

Daniel Faria

Nos escassos 28 anos em que a poesia se personificou nele, muito foi deixando. Poesia, um livro das edições quasi, reúne, num só livro, os seis livros por ele publicados mais alguns poemas inéditos. Em Poesia, estão contidos, Uma cidade com muralha, Oxálida, A casa dos ceifeiros, Explicação das àrvores e de outros animais, Homens que são como lugares mal situados e Dos líquidos.

"Sei bem que não mereço um dia entrar no céu
Mas nem por isso escrevo a minha casa sobre a terra"

Notório. Toda a poesia de Daniel Faria é assim mesmo. Celestial mas manifestamente terrena. Reporta à essência da poesia, trazendo de volta os valores básicos que lhe dão nome. A beleza, a estética, a pureza das palavras. Daniel Faria não trabalha com as palavras nem sequer brinca com elas. Elas são a natural expressão do que vê e sente. Não há pretensiosismo, maneirismos, expressões que soem forçadas.

Maria do Rosário Pedreia escreveu um dia : "Tudo o que vem de ti é um poema". Desconheço a quem se dedicava o verso. Assim, à distância de uma folha de papel, decerto descreve a vida de Daniel Faria. Sem qualquer tributo post-mortem, a homenagem parte do próprio escritor. À vida, aos sentidos, mas acima de tudo, à poesia. Nunca um título de um livro esteve tão bem entregue.

"Porque a morte tem o seu tempo
A ruína soma ruína, à cabeça
Equilibra a existência desmoronada e inteira.
Tu és o que edifica
Tu constróis mil vezes.
Porque o raio tem o seu tempo.
És o clarão ,a lâmpada, a estrela
Somas luz à luz.
Não és luz, és mais que a luz
Porque a noite tem o seu tempo."

Daniel Faria

Título: Poesia
Autor: Daniel Faria

Nota: 7/10

3 Comments:

Blogger Aldemar Norek said...

Descobri Daniel Faria este ano, aqi no Brasil, através da internet. E me fascinei com sua voz poética, seu espanto diante do mundo.
Pena que nenhum livro dele chegou ainda aqui.

2:16 da manhã  
Blogger Hitchhiker said...

É realmente uma pena. Não hesite em procurar mais deste poeta que, apesar de ter morrido cedo, deixou uma obra belíssima.
Cumprimentos

8:17 da tarde  
Blogger Lusios said...

A melhor homenagem será sempre a sua leitura e divulgação. Como ele próprio afirmou, "ouvir a luz". A dor da sua perda só poderá ser parcialmente redimida com a escuta dos seus poemas, simultaneamente obscuros e luminosos.
Para quem o desconhece em absoluto, pode sempre consultar o site www.danielfaria.org

Cumprimentos

8:07 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home