segunda-feira, outubro 09, 2006

O Assobio da Cobra


Em encarnado, de caligrafia desenhada e suspensa no palco de São Luiz, a expressão Da Cobra intitula o cabaret montado na sala do Chiado. Os músicos, presos ao fundo, projectam as músicas de Manuel Paulo (presente ao piano) acompanhados por uma personagem de ocasião. Os panos cor-de-vinho caem criando espaços próprios de Cabaret: um balcão de bar, pequeno para não perturbar as coreografias; uma ampla zona de mesas e cadeiras onde as personagens deambulam sincronizadamente ao ritmo da banda sonora; três portas de casa-de-banho que são abertas sempre que uma personagem procura refúgio dos seus medos; e um espelho que reflecte o presente, viaja no passado e desmascara sonhos.
Está apresentado o cenário do musical O Assobio Da Cobra. A ideia partiu das tais músicas de Manuel Paulo, junta-se um pequeno texto martelado com muita força, contrata-se bons actores e temos um Musical! Ou um concerto? É que para cada 3 minutos de música há uma cena de 2 minutos com 30 segundos de acção. Desculpem o exagero mas este musical é exageradamente cantado. Certas músicas perdem visibilidade na hiperbólica melancolia do Cabaret em detrimento da paixão à energia nocturna. Os mochos em palco não têm qualquer convicção ao expressarem o seu prazer de viver sob a luz da lua.
Ao comprar um bilhete para o teatro (neste caso musical) sou persuadido por algumas certezas que garantem qualidade ao espectáculo. Actores, autor, encenador, elogios da crítica são variáveis sempre por mim equacionadas. E quando estou fisicamente na plateia espero ser levitado para algo mentalmente além de mim. Em O Assobio da Cobra nada há para além das certezas, não há qualquer viagem. Ou melhor, há a convicção de que as certezas são boas. Diogo Infante, Isabel Abreu, João Reis e Pedro Laginha são sem dúvida bons actores e cantam(!).

1 Comments:

Blogger totoia said...

Não sou especialmente fã de musiacais e confesso que fui ver este espectáculo com algum receio, mas que não se veio a provar, adorei a peça.

10:16 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home