domingo, abril 02, 2006

3121

Estes podiam ser tempos aureos da Pop. Não muito tempo depois dos reis em questão terem lançado novos cds (Madonna e Robbie Williams), chega agora a vez de Prince, com o enigmático (de nome, só de nome...) 3121. Muita parra e pouca uva, é o que apraz dizer. Confessions on a dance floor e Intensive Care, aparte o show-off dos seus respectivos, pouco, se algo, vieram trazer. De 3121, idem aspas. Contudo, tal como os seus parceiros de infortúnio Pop, Prince aproveita também para apanhar o comboio das colagens. Madonna vira-se para os anos 80 e as suas discos, Robbie Williams deixa-se levar pelas ondas da Electrónica e Prince encosta-se, como nunca, ao mundo latino.
A verdade é que Prince, sob este nome ou outro qualquer dos que ele inventa, tem vindo a lutar desde os anos 80 contra a sua morte musical. E parecia, com Musicology, estar no bom caminho. Com 3121, deita tudo a perder. Esclareçamos as coisas. 3121 não é um disco horrível, mas é o contrário de tudo a que Prince nos habituou. É um trabalho insonso, sem ponta de emoção, sem o frenético abanar de corpos e mentes com que o autor de "Sexy Mother Fucker" já nos presenteou.
3121 podia muito bem ser feito por um qualquer porto-riquenho que nos anos 80 chegasse a Nova Iorque. Prince é fiel às suas origens musicais. Mais que fiel, está constragedoramente preso a elas. Desde as vozes sampleadas aos seus gritos característicos, cada vez com menos crença. Como tempero (muito pouco, diga-se) utiliza uma ritmicidade bastante latina, lembrando por vezes aqueles entediantes cds The Best Love Ballads. Prova cantada desta afinidade romântico-latina são "Te amo Corazón" ou "Lolita". O que realmente entristece é a completa falta de chama. Não há uma única música que empolgue, que apeteça dançar, cantar, exprimir qualquer tipo de emoção. Prince tornou-se alguém chato. É o fim da androgenia.
Título: 3121
Autor: Prince
Nota: 5/10

3 Comments:

Anonymous Anónimo said...

vim aqi parar por acasoe permita me q discorde enormemente com esta obscura critica.3121 ,é o´bvio q nao e prince vintage ao nivel dum parade,dum s.o.t.t, ou de um diamond & pearls,mas sem duvida q e um belissimo disco.prince nao precisa de provar seja o q for a qem qer q seja.3121 é muito superior a musicology,ese sim tv o menos inspirado disco do artista

8:32 da tarde  
Blogger Hitchhiker said...

Percebo que não concorde com a crítica. Ainda assim, mantenho o que disse, o trabalho continua, após repetidas audições, fraco, especialmente para o que esperamos de Prince. Quanto a Musicology, pode não ser do seu agrado, mas concerteza reconhecerá algum fulgor na mesma, aspecto que me parece não existir em 3121.

8:15 da tarde  
Blogger Ally said...

Discordo que seja um disco sem musicas que déem vontade de dancar, a black sweat, Fury e Love sao perfeitamente empolgantes, com ritmo e mexem com a genica das pessoas que gostem deste genero musical, ha q relembrar k Prince ja tem quase 50 anos e esta mto bem conservado musicalmente sp foi um génio. pelo menos é a minha opiniao. :)

1:57 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home