domingo, novembro 19, 2006

Alter-Ego

Estranho objecto este que surge nas salas no Maria Matos. Cruzamento constante, e nem sempre claro, entre Teatro e Cinema, Alter-Ego é uma quase história, um conjunto de acontecimentos ente dois casais, mistura de ficção e realidade, tudo para explorar o tema do amor. Sempre o tema do amor. Ainda que o não pareça.

Pedro é o centro da acção. Ele realiza um filme que mostra a Inês, a mulher que ama. Neste filme, surgem Amadeu e Elísio, que se conhecem num barbeiro e desenvolvem uma história de amor pouco convencional, mas ao mesmo tempo repleta de déjà-vu’s do amor moderno. Amadeu e Elísio são as personagens que se mexem no cenário da mente de Pedro. Tudo começa, e acaba, quando a realidade da sua relação se mistura com a ficção do seu filme.

Com texto de Artur Serra Araújo, esta é uma história cuja grande vantagem é a boa administração feita entre a parte cinematográfica e a teatral. Entre a tela e o palco, as mesmas personagens vão se enrolando numa espiral de confusão, onde fica a ganhar a parte cinéfila. A actuação em palco surge quase como pretexto, uma mímica (por vezes bem feita) de sentimentos e repetições.

Realizado por José Wallenstein, o filme traz-nos sequências pouco lineares, temporal e espacialmente, com uma presença sexualmente marcante aqui, com uma melancolia demasiado soturna ali. A peça, encenada por Ana Luena, traz pormenores curiosos de encenação, um bom jogo de luzes, mas não deixa margem de manobra para a parte da representação, com excepção de Luciano Amarelo.

Não se pense contudo poder dissociar os dois objectos. Teatro e Cinema aqui são um só. Talvez até, infelizmente, menos que um. Com carências de fluência gritantes e uma história que o não é (não que isso seja a priori algo negativo, simplesmente o é quando não prende o público), Alter-Ego vale sobretudo pelas passagens entre realidade e ficção e pelo cruzamento artístico. Um projecto alternativo, de relativa originalidade, mas cuja frequência não abunda nos teatros portugueses.
Título: Alter-Ego
Realização: José Wallenstein
Encenação: Ana Luena
Elenco: Pedro Mendonça, Marta Gorgulho, Luciano Amarelo e Mário Santos.

2 Comments:

Blogger exit1 said...

Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

11:17 da manhã  
Blogger exit1 said...

Alter-Ego padece de um problema comum no teatro experimental e também em algum amador: a ânsia de inovação técnica e formal é tão exagerada que o próprio esqueleto da peça acaba por ser sacrificado. O enredo perde-se algures no caminho e no fim resta pouco mais do que a impressão de um qualquer delírio freudiano pontualmente animado por transgressões entre a presença física e a tela.

11:19 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home