segunda-feira, junho 05, 2006

Edição Ilimitada

Após Suspeitos do Costume, álbum de 2002 galardoado com Disco de Prata, os Mind da Gap surgem agora com Edição Ilimitada. Com uma carreira que remonta a 1993 sobre o nome de Da Wreckas, o conjunto nortenho é por muitos considerados o melhor conjunto Hip-Hop português. Certo é que, a par de Da Weasel, se bem que seguindo trilhos distintos, foram a face mais visível da afirmação do género em Portugal, quando muitos não lhes afiguravam espaço de representação.
É sobre este estigma que os Mind da Gap vão trabalhando. E depois do último disco, estes suspeitos do costume decidiram acima de tudo experimentar. Partindo da segurança que as misturas de Troy Hightower lhes conferem (com quem já tinham trabalhado em Sem Cerimónias e que assinou também Ritmo, Amor e Palavras de Boss AC), Edição Ilimitada demonstra um inextinguível vontade de mutação e condensação de géneros.
Ilimitadas também parecem ser as faixas do cd. Se a dita experimentação é o ponto que cria alguma originalidade no cd, Serial e os seus companheiros parecem também ter sido vítimas dessa excessiva virtuosidade. Muitas faixas e muitas faixas diferentes fazem de um cd com algumas boas músicas um audível e volátil álbum de 17 faixas. Considerados um grupo musicalmente bastante coeso, os Mind da Gap parecem ainda procurar nortear a sua procura do melhor álbum português Hip-Hop. Claramente, ainda não foi desta.
Ainda assim, alguns (muito) bons registos nascem da procura de novos caminhos que acaba por assassinar a coerência do trabalho. "Tango dos defeitos", "V.I.Penetras" ou um muito Kanywestiano "Bem vindo" a abrir o trabalho são prova disso. Pelo meio, músicas más de mais para um grupo com a história dos Mind da Gap: "Se nos dá prazer" seria single prioritário por outras paragens. Não nos MDG. Por enquanto, a rodar nas rádios, o single "Não stresses".
Título: Edição Ilimitada
Autor: Mind da Gap
Nota: 6/10

1 Comments:

Blogger Hitchhiker said...

" (...)Morre lentamente, quem abandona um projecto antes de iniciá-lo. (...)

Evitemos a morte em doses suaves, recordando sempre que estar vivo exige um esforco muito maior que o simples facto de respirar.

Somente a perserveranca fara com que conquistemos um estágio esplêndido de felicidade."

Pablo Neruda

9:17 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home