quinta-feira, janeiro 26, 2006

Jim Carrey


Quando eu era uma criança e assistia a um filme protagonizado por Jim Carrey ria a bandeiras despregadas e achava-o um dos melhores actores do mundo(!). Tal inocente convicção tinha como origem esse filme que encanta qualquer criança de oito anos, The Mask.
Agora que já passaram doze anos continuo a acreditar que Jim Carrey é um fora de série da produção em série de actores, própria de Hollywood. A diferença dos doze está na razão da afirmação. Obviamente que não é um filme que retrata um empregado bancário com a cara verde atrás do protótipo de beleza ocidental que me faz acreditar que Jim Carrey é realmente bom. Sucintamente, é a facilidade (e diversidade) de expressão corporal que me leva a salas de cinema assistir filmes protagonizados pelo mesmo.
Correcção: o que me leva a salas de cinema para assistir filmes protagonizados por Jim Carrey é a esperança que é desta que eu vou ver um grande filme de comédia protagonizado por este.
Jim Carrey começa a revelar um certo fracasso na gestão de carreira. Ao me deslocar a um famoso centro comercial lisboeta com o propósito de ver uma comédia e escolho o novo filme do actor em questão, Fun with Dick and Jane, fico com a clara sensação de que já vi isto em qualquer lado. A personagem tem características diferentes, tem uma história distinta, mas tudo o que é construído a partir disto sabe a pouco e não acrescenta nada de novo ao currículo do actor. É verdade que nos arranca algumas boas gargalhadas mas depois de um noite de sono não resta nada.
Eu acredito que Jim Carrey é capaz de, em comédia, fazer melhor que um Dick ou um Bruce com poderes divinos.

6 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Creio no caso de Jim Carrey a crítica deveria ter sido um pouco mais profunda... Deixo, assim, um mero facto que faz de Jim Carrey algo mais que um bom actor de comédia: a capacidade de interpretar um papel tão diferente de todos os outros incluindo dele próprio no filme The Eternal Sunshine of the Spotless Mind... Percebe-se uma grande capacidade de interpretação por parte de Jim Carrey ao encarnar a pele de Joel, um homem melancólico e nostálgico que em nada se assemelha a outras personagens de Jim. Na verdade deparamo-nos mesmo com uma inversão de papéis fenomenal entre Jim Carrey e Kate Winslet..
Por favor, não espere somente melhores comédias de Jim Carrey. Abraço

8:53 da tarde  
Blogger Ensaio said...

Caro leitor: agradeço por ter comentado o meu post e peço-lhe que continuo a fazê-lo sempre que achar oportuno.
Pretendo apenas esclarecer que, apesar de não estar explícito no post, eu referi-me simplesmente à vertente de comédia do actor. Neste post limito-me a criticar Jim Carrey enquanto actor de comédia. Mas, aproveito para acrescentar que já tendo ele demonstrado qualidades fora da comédia, porque continua a fazer este tipo de filmes? Não está em questão a qualidade do actor mas a qualidade dos filmes que tem protagonizado.

1:05 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Também eu já pus essa questão a mim própio...queria mesmo frisar que não pretendia com o meu comentário defender Jim Carrey nos seus últimos trabalhos por si referidos, isto porque nem os vi...
Já viu o filme Oldboy-Velho Amigo?
vou passando

1:30 da manhã  
Blogger Ensaio said...

Confesso que ainda não vi o Oldboy-Velho Amigo.
No entanto, queria agradecer-lhe mais uma vez o comentário, porque me alertou para ser mais explícito quantos aos temas que estou a abordar.
Abraço

11:07 da manhã  
Anonymous coisinha said...

Concordo plenamente com o post. Parece que de cada vez que me desloco ao cinema para ver uma comédia e dou de caras com um cartaz cujo o protagonista é o Jim Carrey penso, "ah e tal, mais um filme de caretas e piadas de há cinco anos atrás!! Mais um filme de sábado/domingo à tarde!".
Cumprimentos.

2:09 da manhã  
Blogger Hitchhiker said...

Sim, mas como é dito, convém não confundir o filme com o actor. Outro belo exemplo disso é Robin Williams, que tanto consegue fazer "O Bom Rebelde" como "Flubber".

7:10 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home